Acusados de matar mulher em academia permanecem foragidos.




(Foto: Reprodução) 
Segundo os investigadores, um dos envolvidos na morte de Jumaria Barbosa, numa academia em Lauro de Freitas, já está sendo procurado por outros homicídios. 

Dois
familiares e uma amiga da dona de casa Fernanda dos Santos Alves, 37
anos, foram presos acusados de mentir para a polícia. Fernanda confessou que mandou matar a própria amiga,
Jumaria dos Santos Barbosa, 41, dentro de uma academia, em Lauro de
Freitas, Região Metropolitana de Salvador (RMS), e foi presa no dia 12
de julho. Os familiares e a amiga foram detidos na mesma data e passaram
17 dias na cadeia. Um dos envolvidos na morte já está sendo procurado
por outros dois assassinatos.
De acordo com o titular da 23ª Delegacia (Lauro de Freitas), delegado Joelson Reis,
depois do crime, Fernanda viajou para São Paulo. Retornou para Salvador e
seguiu depois para Natal (RN), onde foi presa. O mandado de prisão da
dona de casa foi expedido no começo de junho, e os familiares e amigos
dela foram ouvidos na mesma época.
“Nós
já sabíamos que ela estava em Natal, mas chamamos os familiares na
delegacia para que eles nos dessem mais detalhes. Dois dos familiares e
uma outra pessoa próxima a ela foram ouvidos e mentiram. Disseram que
ela ainda estava em São Paulo e tentaram despistar a polícia, por isso,
solicitei a prisão temporárias dos três”, contou o delegado.
“Dois
dos familiares e outra pessoa próxima a ela foram ouvidos e mentiram.
Disseram que ela ainda estava em São Paulo e tentaram despistar a
polícia, por isso, solicitei a prisão temporárias dos três.”
(Joelson Reis, delegado).
Jumaria
foi assassinada a tiros dentro de uma academia de ginástica, em abril
deste ano. Em maio, Fernanda foi para a capital potiguar, onde foi presa
no dia 12 de julho. No mesmo dia, os policiais prenderam os dois
parentes e a amiga que mentiram para o delegado. Eles permaneceram 17
dias na cadeia e foram liberados depois de uma ordem judicial.
Conforme a polícia, Fernanda contou que um dos envolvidos no crime, Diego Silva
dos Santos, é um traficante com atuação nos municípios de Madre de Deus e
Candeias, ambos na RMS. Diego já possui dois mandados de prisão em
aberto pelo envolvimento em outros dois homicídios. Ele está foragido. A
dona de casa contou que pagou R$ 500 para matar a amiga. 
 Os quatros suspeitos de envolvimento na morte (Foto: Divulgação)
Amigas

A
dona de casa negou o crime até chegar em Lauro de Freitas e encontrar
um dos familiares preso – foi quando resolveu confessar o envolvimento
no homicídio. Fernanda contou que estava tentando reatar a relação com o
ex-marido quando conheceu Jumaria no aniversário de uma amiga, em
outubro do ano passado. Ela soube que a nova amiga fazia ‘trabalhos
espirituais’ e pediu a ajuda dela para se reaproximar do ex-marido.

Segundo
a polícia, Fernanda e o marido se separaram no ano passado depois de 15
anos de casamento, mas ainda tinham recaídas. Ele morava em São Paulo,
mas ela viajava para vê-lo e ele encontrava com ela quando vinha para
Salvador. Depois de pedir para Jumaria fazer o ‘feitiço’, ela foi ver
novamente o ex-marido e o encontro, desta vez, foi conturbado.
“Quando
retornou para Salvador, ela disse que soube através de outra amiga que
Jumaria teria feito o ‘trabalho’ ao contrário, ou seja, para separar ela
do ex-marido. Foi então que ela resolveu matar a amiga”, contou o
delegado.
As
duas mulheres moravam em Stella Maris, em Salvador, e mantinham relação
próxima. Fernanda tem dois filhos com o ex-marido e uma pensão de cerca
de R$ 20 mil, por mês. Ela era dona de casa. Enquanto Jumaria era
graduada em direito, separada e também recebia pensão do ex-marido. Nas
redes sociais é possível encontrar fotos das duas amigas juntas. 
Delegados durante a apresentação do caso (Foto: Divulgação)
Assassinato
Um
fim de semana antes do crime, Fernanda chamou um dos empregados,
Gilmário Carneiro dos Santos, conhecido como Guerreiro, e foi com ele
até a casa do meio-irmão dela, Rakmus Varjão Pereira Alves, na cidade de
Dias D’Ávila, na RMS. De acordo com a polícia, ela contou para Rakmus,
também conhecido como Choquinha, que planejava matar a amiga e pediu a
ajuda dele para executar o plano.
“Rakmus
planejou com Fernanda e Guerreiro os detalhes da morte de Jumaria. A
conversa aconteceu em um bar, em Dias D’Ávila, e a mulher de Rakmus,
Taís Santos Ferreira, também estava presente. Dias depois, Rakmus
convidou um amigo, Diego Silva dos Santos, para fazer o serviço. Diego é
traficante e foi quem contratou o assassino, que até o momento foi
identificado apenas como Branco”, afirmou o delegado.
No
dia do crime, Guerreiro ficou com os filhos de Fernanda enquanto ela,
Rakmus, Taís, Diego e Branco seguiram a vítima da casa dela até a
academia. Branco entrou no estabelecimento como se fosse aluno novo.
Quando localizou Jumaria, ele ligou para a Fernanda para confirmar se
ela tinha uma tatuagem de borboleta no braço. Segundo a polícia, a dona
de casa contou que pediu que ele não desligasse para que ela pudesse ouvir os tiros. Jumaria foi baleada quatro vezes, na nuca, pescoço e cabeça, e morreu no local do crime.
Fernanda
confessou ter encomendado a morte, mas outros suspeitos ainda não foram
localizados pela polícia. Os investigadores estiveram na casa de Rakmus
e Tais, em Dias D’Ávila, mas eles não foram encontrados. O endereço de
residência de Diego consta em Simões Filho, na RMS, mas ele também não
estava. Guerreiro mora em Stella Maris, mas também não foi localizado.
Branco ainda não foi identificado.
Todos
os cinco envolvidos na morte de Jumaria estão com mandado de prisão em
aberto. Quem tiver informações sobre os suspeitos pode ajudar a polícia
através do Dique Denúncia (71) 3235-0000 ou do Disque Xerife da 23ª
Delegacia, no telefone (71) 9 9631-6891 (WhatsApp)
. O sigilo é
garantido.
Fonte: correio24horas.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *