Morte de delegado em Lauro de Freitas segue sem solução

O assassinato do delegado da Polícia Civil, Luís Carlos Couto, ocorrido no dia 2 de abril, no bairro de Buraquinho, em Lauro de Freitas, continua sem solução. O caso está sendo investigado pela força tarefa da Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA), voltada para apurar de mortes de policiais na Bahia, e segue sob sigilo. Couto era delegado adjunto da 11ª Delegacia Territorial, do bairro de Tancredo Neves. Uma tentativa de assalto teria resultado na morte do agente em 2 de abril deste ano.
A assessoria de comunicação da Polícia Civil da Bahia explica que a força tarefa, composta pela Polícia Militar, Polícia Civil (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa/DHPP), Superintendência de Inteligência da SSP-BA e o Departamento de Polícia Metropolitana (Depom), prefere não revelar os informações da investigação para não prejudicar o andamento dos trabalhos.
A ascom disse também que o homicídio contra o delegado Luís Carlos Couto, foi o único registrado neste ano, tendo como vítima policial civil. No ano de 2015, três investigadores da Polícia Civil foram vítimas de assassinato. Os crimes ocorreram nos municípios de Feira de Santana, Jaguaquara e São Gonçalo dos Campos.
Antes da morte de Luis Carlos Couto, em 2012 o delegado Eduardo Rafael foi assassinado durante um assalto na porta de casa, no bairro de Barbalho em Salvador. No ano de 2010, o titular da 18ª Delegacia de Camaçari, Kleyton Leão foi assassinado na estrada Cascalheira, (via de ligação entre a Linha Verde e a cidade de Camaçari), em uma emboscada, enquanto dava uma entrevista por telefone para uma rádio.
O momento em que o delegado Luís Carlos Couto, foi morto foi registrado por uma câmera de videomonitoramento. As imagens mostram o agente na porta de casa acompanhado de outra pessoa, quando dois homens se aproximaram e efetuaram os disparos. As investigações seguem com a força tarefa da SSP-BA.

Fonte: Bocão News
Foto: Reprodução / redeacontece.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *