PF encontra elo entre ‘bunker de Geddel’ e propinas da JBS

A Polícia Federal apontou um elo entre os R$ 51 milhões que seriam de Geddel Vieira Lima e foram apreendidos em um apartamento em Salvador e propinas pagas pela J&F, grupo comandando por Joesley e Wesley Batista.

As informações, segundo o Estadão, constam de relatório apresentado nesta terça-feira (29) que associa os peemedebistas aos crimes de associação criminosa e lavagem de dinheiro.

Segundo o documento, Lúcio Funaro reconheceu, por fotos, maços do dinheiro encontrados no apartamento. A marca de um banco ligado à holding em etiquetas que envolviam as cédulas.

O delegado da PF Marlon Oliveira Cajado dos Santos afirmou, no relatório, ver indícios de crimes e ressaltou que o documento integra as investigações da Operação Cui Bono?, que apura as condutas de Geddel no período em que foi vice-presidente da Caixa Econômica Federal. O ex-ministro é suspeito de ter beneficiado a J&F, dos irmãos Joesley e Wesley Batista, na liberação de recursos.

Ao ser apresentado a fotos dos maços de dinheiro encontrados no bunker de Salvador, Funaro disse reconhecer referências ao Banco Original do Agronegócio, da J&F. “Lúcio Funaro informou que os valores envoltos em ligas, com um pedaço de papel onde havia impresso o valor constante do maço de dinheiro, era exatamente como retirava o dinheiro dos seus doleiros e repassava para Geddel”, afirmou a PF no relatório.

O operador ainda “mencionou que o dinheiro envolto com cinta contendo a inscrição ‘BOA’, era na verdade uma referência ao Banco Original do Agronegócio”.

Fonte: Bahia.ba

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *